Cultura e Mercado
  • Quem não comunica, se trumbica

    A frase acima, muito conhecida dos nascidos há, pelo menos, quatro décadas, era proferida em alto e bom som pelo inesquecível apresentador de televisão Chacrinha, enquanto distribuía abacaxis e bacalhaus.

    Se o estilo Chacrinha ficou para trás, a sabedoria de suas afirmações só tem se confirmado ao longo do tempo, mas nem todo mundo presta atenção. Infelizmente, as organizações da sociedade civil (OSC), com louváveis exceções, fazem parte do grupo dos que não costumam investir o tempo e os recursos necessários para uma boa comunicação.

    É compreensível. Organizações que dependem de doações para viver estão sempre lidando com orçamento curto. E quando o dinheiro chega, é imediatamente aplicado nos projetos sociais, ambientais, culturais e esportivos que buscam melhorar a situação do nosso país.

    Na hora de decidir onde aplicar mil reais que seja, o gestor da OSC vai preferir alcançar mais estudantes, atender mais pacientes ou abrigar mais refugiados do que investir na renovação do site institucional, por exemplo.  Acontece que o site institucional, o relatório de atividades, o folder explicativo da organização são ferramentas para atrair os doadores, que precisam entender o que a organização faz para se sensibilizar e decidir  qual  OSC ele vai apoiar.

    O terceiro setor brasileiro precisa melhorar a forma como se comunica, como conta suas histórias e como se relaciona com o potencial doador. Sabendo disso, o IDIS, junto com seus parceiros, está fazendo a mobilização Se Liga ONG!, que alerta as organizações para a necessidade de manter seu site atualizado e informativo, deixando bem claro, pelo menos, os cinco seguintes pontos.

    • A causa da organização.
    • O que a organização faz.
    • Quais os resultados que ela já obteve.
    • Quais os impactos do trabalho dela.
    • Como fazer para DOAR para a organização.

    Parece simples. Parece óbvio. Mas não é… Sabemos que é uma questão de priorização, mas se nunca for prioridade, nunca sairemos do mesmo ciclo vicioso.

    Outro ponto importante da campanha é a parceria com o IPEA – Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, por meio do mapa das OSCs. Com essa ferramenta bem atualizada, poderemos ter uma base mais qualificada do setor, entender melhor quem somos, quantos somos e o que fazemos. Assim será mais fácil explicar nossa contribuição e batalhar por nossas necessidades.

    Cheque seu site, avalie se ele conta a sua história – muitas vezes são pequenos os ajustes que podem fazer a diferença. E confira seu cadastro no mapa das OSCs.

    Acesse o site do Se Liga ONG! e saiba mais!

    Andréa Wolffenbüttel